Novo endereço: www.tratamentoludovico.com

Acessem! Posts novos e todo o arquivo!

Archive for the ‘Educação’ Category

Lamentáveis mudanças, senhor Haddad e dona Fuvest

Posted by Murilo Romulo em maio 22, 2009

Clique aqui para ver o post no novo endereço

O ano de 2009 será lembrado pelos vestibulandos como o ano das maiores incertezas. Há muito tempo fala-se em mudanças nos exames de ingresso nas universidades, mas até então nenhuma atitude muito radical havia sido tomada em massa. Infelizmente (pelo menos em meu ponto de vista, no 3º ano do Ensino Médio), esse ano todas as mudanças foram colocadas em prática.

Primeiramente especulava-se sobre um novo ENEM, com declarações do Ministro da Educação Fernando Haddad. Logo depois das especulações, a Unesp, assim como outras universidades públicas, anunciaram mudanças em seus vestibulares. De modo geral, o argumento de todas era a aplicação de uma prova mais “democrática”, com questões mais interdisciplinares, contextualizadas, menos fórmulas e decoreba e a inclusão de Filosofia e Sociologia nas provas. Não demorou muito para o novo ENEM ser aprovado, com a intenção de servir de vestibular único para as universidades federais. A ideia foi muito criticada, já que alguns vestibulares já estavam programados e com edital feito, assim tiveram que mudar. Para o Ministro, a adesão à prova foi acima do esperado. Entretanto, devemos considerar que a maioria das instituições já utilizava o Exame como bônus na nota geral, com algumas outras raras o utilizando como forma de ingresso direto.

A principal crítica em torno de tais mudanças esteve sempre relacionado ao momento em que foram efetuadas as mudanças. Críticas totalmente plausíveis, por sinal; uma mudança tão radical no Ensino nacional (como no ENEM) deve ser prevista com antecedência, pelo menos um ano antes dela entrar em vigor, de fato. As escolas de ensino médio estariam melhor preparadas para tais alterações e poderiam preparar melhor os alunos para determinadas provas. Agora, temos uma verdadeira incógnita sobre como será o novo ENEM. Pode ser que cobrem X, Y ou Z., não se sabe como os assuntos serão verdadeiramente abordados. Assim, quem tentará o ingresso em uma universidade este ano fica totalmente perdido. Coloco-me entre esses alunos, já que a Universidade que desejo cursar aderiu o novo ENEM como forma única de ingresso.

Agora, imaginemos que o Exame é o vestibular único para todas as Universidades Públicas. Chega no dia da prova, estou passando mal, debilitado e acabo com um desempenho inferior ao que poderia alcançar. Ou seja, perdi o ano de estudos. Toda a dedicação foi água abaixo por estar doente no dia da prova. A inspiração de fazer um sistema de ingresso como nos Estados Unidos (que utiliza o SAT) acaba sendo falho, já que lá o exame é aplicado várias vezes ao ano, então o aluno pode realmente ser bem avaliado.

Além do ENEM, a Fuvest, maior e mais tradicional vestibular de nosso país (já que permite ingresso na USP), também anunciou mudanças. A princípio a mudança básica seria a inclusão de provas de todas as disciplinas para todos os concorrentes na segunda fase. Até aí, nenhuma mudança tão drástica, já que temos universidades como a Unicamp que aplicam provas de todas as disciplinas para todos os concorrentes na segunda fase.

Não satisfeita com as mudanças, hoje, o Conselho de Graduação da USP aprovou mais mudanças no vestibular. As mudanças são no que tange as matérias específicas cobradas na segunda fase. O primeiro dia continua igual, com prova de português e redação para todos. O segundo dia também passa a ser universal, com provas de todas as outras disciplinas. Já no terceiro dia, cobra-se apenas as disciplinas específicas – no máximo três. Agora, português não é mais “peso 2” para carreira alguma.

A piada, entretanto, está em relação às novas disciplinas específicas de cada curso. Medicina trocou Física por… Geografia!!! Exatamente, agora os aspirantes a Medicina deverão saber Geografia física, rochas, relevo da Europa e Geopolítica para entrarem na mais desejada faculdade de medicina do Brasil – a Pinheiros. Assustador, eu diria. Acreditando que não teria mais surpresas, fiquei mais revoltado ainda quando vi as disciplinas para Odontologia. O curso é ministrado em três campi: Bauru, São Paulo e Ribeirão Preto. E cada uma das opções terá uma específica diferente. Para Bauru, Química, Física e Biologia; para São Paulo, Geografia no lugar de Física; já para Ribeirão, apenas Biologia e Química.

Esse é nosso maior e mais importante vestibular. Mais um ano que se passa e a Fuvest dá passos para trás, não contente com seu sistema de inscrição milenar – o único no qual precisa preencher ficha com foto datada.

Isso é Brasil.

Ira! – Núcleo Base

Anúncios

Posted in Ética, Brasil, Educação, Geral, Imprensa, Vestibular | 4 Comments »

Santa Tecnologia

Posted by Murilo Romulo em fevereiro 20, 2009

Clique aqui para ver o post no novo endereço

Chegou o tão esperado carnaval. Agora sim o ano começa em nosso país. Após a Quarta-feira de Cinzas, tudo começa a funcionar (ou não). Enquanto isso, assisto às últimas aulas antes do carnaval. Desanimador? Estou de pijamas. Sim, assisto aulas de pijamas hoje. Trote de formatura é assim.

Por sorte existe a tecnologia e consigo roubar internet wifi do colégio para me distrair. Santa tecnologia.

Eric Clapton – Cocaine

Posted in Educação, Geral, Inutilidades, Tecnologia | Leave a Comment »

Grandes Sonhos e Grandes Responsabilidades

Posted by Murilo Romulo em fevereiro 5, 2009

Clique aqui para ver o post no novo endereço

O último ano do ensino médio é tenso. Tenso no sentido literal. Existe aquela pressão sobre si, pensando na necessidade de passar no vestibular para a tão almejada universidade. Em casa, os pais observam com olhos atentos a rotina de estudos, por mais que não esbocem muitas palavras a respeito. Na escola, querendo ou não, há uma certa vontade exagerada por parte dos professores para enfiar o conteúdo na cabeça do aluno e ele lembrar na hora do vestibular. Ou seja, cenário de muita cobrança e pressão.

Pressão. Desde que no nível certo, é bom; assim como em um pneu, fazendo uma analogia tosca. Se menos, prejudica; se demasiada, prejudica igualmente. Uma certa pressão é necessária, ainda mais sendo aquela consciência dizendo que se precisa estudar mais. Se ela não existe, os projetos acabam se perdendo. Todavia, o exagero é mais prejudicial ainda. Deve haver um equilíbrio, um meio termo.

Hoje ouvi, de um professor, uma frase que já pensava desde o fim do ano passado: “Chegou a hora de separar os homens das crianças”. Chegou. De fato. Não há mais espaço e tempo para vacilo. Haver, na verdade há, desde que haja maturidade para supera-lo e não repeti-lo. Aqueles que tiverem capacidade de equilibrar tudo, lidar com as mais diversas situações e tomarem as melhores decisões, estarão nas melhores universidades. Tudo em seu tempo e em sua quantidade. Separemos, então.

Jeff Beck – Thelonius

Posted in Educação, Geral, Vestibular | 1 Comment »

[Epic] FAIL Pastéis EspeÇiais

Posted by Murilo Romulo em janeiro 9, 2009

Clique aqui para ver o post no novo endereço

É incrível a capacidade das pessoas para escrever absurdos. Quando se repara na escrita de placas, anúncios e etc., percebe-se como muita gente não sabe sequer a língua de nosso país. Estamos diante de um problema: ou o sistema educacional é muito ruim; ou o povo é muito ignorante mesmo, para escrever absurdos por aí.

Novamente, em Ubatuba, caminhando tranquilamente por uma rua, voltando da praia…

Santa ignorância, Batman

Santa ignorância, Batman

Vamos lá, aula de português. A letra C, quando seguida pelas letras A, O e U tem o mesmo som da mais nova letra de nosso alfabeto, o K. Quando seguida pelas letras E e I, sem o som de S no começo de frase, ou SS no meio de frase. O Ç ocorre somente quando a letra seguinte a ele é A, O ou U, NUNCA antes de E ou I.

Simplificando, Ca = Ka; Co = Ko; C* = Ku. Ou então, Ce = Se; Ci = Si. Pronto, simples. Ou melhor, “elementar, meu caro Watson”. Será que não ensinam isso em todas as escolas brasileiras?

Virgulóides – House da Madame

Posted in Bizarro, Brasil, Educação, Geral, Inutilidades | Etiquetado: , , | 1 Comment »

Questão errada na prova de Geografia da Fuvest

Posted by Murilo Romulo em novembro 26, 2008

Clique aqui para ver o post no novo endereço

A prova da Fuvest tomou bastante tempo (e neurônios) de minha vida. As cinco horas de prova foram cansativas e longas, ainda mais com algumas questões que exigem bastante pensamento e dedicação para resolve-las. Havia questões relativamente fáceis, é verdade, porém algumas pareciam bastante complicadas. De modo geral, não gostei muito da prova, tirando a parte de história, que estava muito bem feita.

 

Meu principal questionamento vai para a questão número 6 da prova de geografia, ou número 47 da prova Prova V (modelo padrão):

 

          

“Uma das características atuais do processo de globalização é a exigência, cada vez maior, de fluidez de informações e mercadorias, ou, em essência, do próprio capital. Tal exigência tem conduzido os países à reestruturação de seus sistemas de circulação. Nesse sentido, o Estado brasileiro, nos últimos anos,”

 

a)     priorizou-se o transporte público urbano, com a ampliação do número de linhas do Metropolitano em todas as capitais dos Estados.

b)     houve uma ampla recuperação da malha ferroviária, com a construção de novos trechos, a exemplo da Transnordestina.

c)     Privilegiou-se o sistema de cabotagem, valorizando-se o transporte de passageiros pelo território nacional e interligando as áreas costeiras do país.

d)     Priorizou-se o transporte hidroviário, voltado à exportação de grãos, conforme atestam as hidrovias Tietê-Paraná e do Rio São Francisco.

e)     Intensificou-se a modernização do sistema portuário, incluindo a construção de portos como os de Sepetiba (RJ) e Pecém (CE).

 

Fiz alguns grifos no texto da questão e em uma das respostas; no caso, a alternativa correta, segundo a Fuvest. Segundo o enunciado da questão, devemos relevar ações nos últimos anos. Tudo bem que não há nenhuma referência temporal, mas acredito que seja aceitável algo nos últimos 10 ou 15 anos, próximo da idade de muitos dos estudantes vestibulandos.

 

O grande problema, ao meu ver, da questão está no fato do Porto de Sepetiba, no Rio de Janeiro, ter sido inaugurado há mais de 25 anos. Mais precisamente, no dia 7 de maio de 1982, há quase 27 anos atrás. Pior que isso, a construção foi iniciada em 1976, há mais de 30 anos. Além disso, o porto já até mudou de nome, passando a ser Porto de Itaguaí, segundo um projeto de lei 2006, do deputado Simão Sessim (PP/RJ).

 

A questão deixa bem claro que se refere à construção do porto, não modernização. É verdade que o porto passou por uma modernização recente, em 1998, mas o fato de estar escrito “[…]a construção de portos como os de Sepetiba…” tira qualquer dúvida. Fica claro o erro ao analisarmos a data de construção do Porto de Pecém, no Ceará; a data de inauguração é 1998, ou seja, a mesma da reforma do Porto de Sepetiba (ou Itaguaí).

 

O erro na formulação da questão está evidente e a suposta resposta correta não é totalmente verdadeira, já que os “últimos anos” estão meio deturpados. Basta a Fuvest reconhecer o erro e resolver essa questão, o que não pode é o maior vestibular do Brasil deixar passar uma gafe dessa. Primeiro que nem poderia ocorrer, afinal, são especialistas que preparam a prova; se nem eles acertam…

 

Revisão, Fuvest, revisão. O erro não pode continuar.

Posted in Ética, Brasil, Educação, Geral, Vestibular | Etiquetado: , , , | Leave a Comment »

MEC Divulga (ou não) os resultados do ENEM

Posted by Murilo Romulo em novembro 23, 2008

Clique aqui para ver o post no novo endereço

Como já é de praxe há alguns anos, o Ministério da Educação liberou agora na segunda quinzena de novembro o resultado do Exame Nacional do Ensino Médio, maior exame de avaliação existente em nosso país. Este ano, o ENEM contou com a participação de aproximadamente 4 milhões de estudantes secundaristas, de todos os estados brasileiros.

 

O que me assusta é a capacidade dos organizadores da prova de comunicar e informar os participantes a respeito dos resultados, datas e etc. Primeiramente, vivemos em um mundo globalizado e consideravelmente digital. Infelizmente, não tenho acesso a estatísticas, mas acredito que considerável parte dos estudantes faz inscrição via internet. Sendo assim, uma comunicação digital poderia ser extremamente útil e eficiente, deixando uma boa parcela dos alunos menos perdidos. Ainda que fosse feita via Correios, 2 meses são mais que suficientes para todos serem informados a respeito de uma data de divulgação.

 

O problema dessa divulgação talvez seja a inexistência de uma data. A instrução é bastante precisa: “Segunda quinzena de novembro”. Ou seja, o resultado pode sair em qualquer um dos 15 dias; mais preciso, impossível.

 

Não satisfeitos, entretanto, em não divulgarem uma data real, é extremamente complexo obter os resultados via internet. Fui tentar acessar minhas notas e me deparei com 3 “opções” de acesso. Uma com a inscrição, outra com CPF e outra com dados como nome, data de nascimento e unidade federativa. Ótimo, uma vasta gama de opções. Seria interessante, caso a primeira delas, com o número do CPF funcionasse com minha pessoa. Tenho certeza de ter informado o número no momento de minha inscrição, mas não consta no banco de dados. Tudo bem, optei pelo número de inscrição. Preenchi e qual foi o resultado? Não foi possível, pois eu deveria preencher o número do CPF. Assim sendo, informei o número e não pude ver minhas notas, já que o sistema “atualizará” meus dados nas próximas 72 horas. Ou seja, espere, Murilo; talvez consiga daqui 3 dias.

 

São as conseqüências de um mundo digital.

Posted in Brasil, Educação, Geral, Vestibular | Etiquetado: , , , , | 2 Comments »

Os Perigosos Sistemas Educacionais

Posted by Murilo Romulo em setembro 22, 2008

Clique aqui para ver o post no novo endereço

Estudar. Sem dúvida, algo que está na cabeça de todos os jovens que aspiram uma boa universidade, muitas vezes pública. O grande problema disso é a necessidade de um pesado estudo, devido a grande disputa pelas vagas nas principais universidades de nosso país. Assim, nascem os sistemas educacionais. Poderia citar alguns dos principais sistemas de nosso país, todavia prefiro poupar algumas críticas mais diretas.

Diante de um modo de seleção baseado em uma única prova com o conteúdo de todo o ensino básico (salvo algumas exceções), o vestibular, cresce a importância de uma boa preparação. A necessidade de estudos intensos é benéfica ao passo que propicia uma melhor base para os futuros universitários. Além disso, faz com que os estudantes aumentem o foco nos estudos, para que consiga a tão sonhada vaga na faculdade.

Como em um vestibular, essa preocupação com os estudos gera uma não tão benéfica competição. Concordo, sim, que na hora do vestibular é cada um por si e seu grande amigo de infância passa a ser mais um dos milhares de concorrentes. Entretanto, enquanto o momento do vestibular não chega, acredito que não seja necessário haver tamanha competição. Se algum tipo de competição deve ocorrer, que ocorra de maneira natural e saudável. Um sistema que apenas aumenta a disputa por notas pode vir a ser bastante problemático.

Evidentemente, as escolas buscam explorar o potencial de seus alunos. Até aí, totalmente aceitável a criação de um estímulo para estes; o principal ponto está nas sérias conseqüências que isso pode gerar. Uma sala de aula é um ambiente onde deve prevalecer a amizade. Convivemos com pessoas que, querendo ou não, somos obrigados a encontrar constantemente. Portanto, procura-se criar o melhor ambiente possível para que os estudos não passem a ser uma verdadeira tortura, em um ambiente totalmente desfavorável. Isso chega a ser um fator negativo no rendimento dos próprios alunos, tendo em vista a necessidade de uma boa convivência entre as partes no local de trabalho, no caso, a escola.

A competição criada entre os alunos acaba gerando rixas e intrigas. A busca pelos melhores resultados pode fazer com que a concorrência não seja algo saudável. Um mal resultado pode ser decepcionante e depressivo para alguém que tem alguma dificuldade. Por outro lado, bons resultados são estimulantes para aqueles que tem mais facilidade. Todavia, ao mesmo tempo em que estimula os estudos de forma positiva, vem a criar egos insuportáveis.

Uma instituição de Ensino Médio prepara os estudantes para enfrentarem a carreira universitária e, mais tarde, o mercado de trabalho. Para ingressar na universidade, sem dúvidas, é necessária bastante maturidade. Creio que nem seja necessário abordar aqui o quanto essa maturidade é importante; é algo evidente. Alguém maduro o suficiente para iniciar a vida universitária sabe muito bem de suas obrigações e necessidades. Não é nem um pouco necessária, a criação de classificações em relação a seus amigos e colegas. Se um estudante não pensa que precisa melhorar nota baixa, mas que seus amigos foram pior, certamente ele não está preparado para enfrentar a universidade.

No vestibular, os concorrentes não são (apenas) seus amigos, com quem a relação é direta; mas com milhares de pessoas de todos os cantos do país, das mais diversas instituições de ensino. Pensar “ele foi pior que eu”, de fato, não é satisfatório. Deve-se pensar “fui o melhor que eu pude”. Se ainda assim não foi é suficiente, basta esforço até a conquista de melhores resultados. O chamado peso na consciência prevalece.

Van Halen – Eruption

Posted in Ética, Brasil, Educação, Geral, Vestibular | 7 Comments »

LHC e o desenvolvido ensino brasileiro

Posted by Murilo Romulo em setembro 11, 2008

Clique aqui para ver o post no novo endereço

10 de setembro de 2008. Um dia para a história da humanidade, sem dúvidas. O LHC, sigla de Large Hadron Collider, ou Grande Colisor de Hádrons, entrou em operação ontem, como era previsto, e alcançou êxito em seus primeiros testes. O LHC é o maior acelerador de partículas do mundo, fazendo com que prótons atinjam velocidades muito próximas à da luz. Construído pelo CERN, sigla francesa de Organização Européia para Pesquisa Nuclear, o equipamento está construído a 100m abaixo do nível do solo, na região da fronteira da França com a Suíça.

O equipamento consiste em um grotesco túnel circular com o comprimento de míseros 27km de comprimento. O projeto contou com a colaboração de aproximadamente 8 mil cientistas do mundo inteiro, inclusive brasileiros da Universidade de São Paulo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, da Universidade Estadual de Campinas e da Universidade Estadual Paulista. Estimativas apontam que o custo, até agora, está em torno da bagatela de US$8 bilhões. Além disso, o projeto já durou aproximadamente 30 anos.

Na manhã de ontem, o acelerador realizou o primeiro teste, com partículas contornando toda sua extensão nos sentidos horário e anti-horário. Assim, o primeiro passo para a colisão de partículas já foi dado.

Enquanto vemos cientistas do mundo inteiro afirmando que este foi o dia mais importante para a ciência de todo o século XXI, as coisas não andam tão bem assim aqui no Brasil. Nosso mais famoso acelerador de partículas está no Instituto de Física da USP, o Pelletron. O equipamento não é circular, como o LHC, mas linear, o que restringe bastante o campo de pesquisa. Além disso, atinge de 10 a 15% da velocidade da luz, muito distante dos maiores do mundo.

Concordo sim que é extremamente gratificante ver a participação de brasileiros no projeto do maior acelerador de partículas do mundo. Todavia, do que adianta para nós, brasileiros, um equipamento na Europa? Nossas universidades continuam no Brasil.

O mais intrigante: nosso acelerador de partículas foi instalado em 1972, ou seja, há 36 anos. Desde então, vários outros foram desenvolvidos mundo afora e o Brasil continuou com essa modernidade. Por isso que é loucura comparar nossas universidades com outras ao redor do mundo. Em um sentimento nacionalista, a USP é um centro acadêmico de excelência, referência no mundo inteiro. Na realidade, é um instituto atrasado no tempo.
Chico Buarque – Roda Viva

Posted in Brasil, Educação, Geral, Tecnologia | Etiquetado: , , | Leave a Comment »